MEU FILHO NÃO QUER COMER, O QUE EU FAÇO?

A hora da refeição pode se tornar uma grande guerra na casa de algumas famílias, mas não há motivos para se estressar. Essa fase demanda muita tranquilidade, principalmente no que diz respeito à alimentação. Confira dicas sobre o que fazer quando seu filho se recusa a comer aqui no Blog PFzinho.

FALTA DE APETITE INFANTIL

De acordo com nutricionistas, podem-se haver duas classificações para a falta de apetite de uma criança, e para cada uma delas, o tratamento deverá ser diferente. A primeira falta de apetite é a falta de apetite por causas orgânicas. Isso quer dizer que a criança possui algum tipo de doença que impede que ela tenha vontade de comer, essas podem ser alergias alimentares ou doença celíaca, por exemplo. Normalmente, crianças com essa falta de apetite apresentam sintomas como fraqueza, sonolência, apatia, cabelos finos e quebradiços, palidez etc e devem ser levadas ao médico. Outro fator que se encaixa na falta de apetite orgânica é o início da dentição, que gera bastante desinteresse alimentar também.
Já a outra falta de apetite é a falta de apetite comportamental, ou sentimental. Essa é mais comum e suas causas geralmente são tendenciosas. A criança geralmente não come por querer chamar atenção ou ganhar outro alimento que seja de seu agrado. Esse comportamento necessita de pontos de atenção no que diz respeito à criação e dinâmica familiar. Um dos fatores que levam à essa “falta de apetite” é quando a criança entende que ao se mostrar desinteressada no alimento, receberá outra coisa para se alimentar. Muitas vezes por desespero, os pais acabam oferecendo bolachas recheadas, doces ou refrigerantes e é aí onde encontramos o erro.

DIFICULDADES ALIMENTARES NA INFÂNCIA

Apesar da falta de apetite comportamental e orgânica serem padrões, ainda existem outras dificuldades que podem levar à falta de apetite na infância. Crianças agitadas, por exemplo, se distraem facilmente com qualquer interação, isso quer dizer que acabam prestando mais atenção no ambiente do que na comida. Por serem hiperativas e espertas, qualquer coisa acaba se tornando mais interessante do que o alimento. 

Algumas crianças podem apresentar paladares extremamente seletivos e por isso, acabam recusando alimentos por seus sabores, texturas e aparências. Outras podem desenvolver medos ou fobias por terem passado por algum tipo de experiência oral negativa, como por exemplo engasgos ou intubação oral.

Já as crianças retraídas ou depressivas acabam perdendo a simpatia pelas refeições, mamães e papais devem se manter atentos.

MEU FILHO NÃO QUER COMER: DICAS VALIOSAS

Agora que entendemos um pouco sobre alguns motivos que levam à falta de apetite na infância, apresentaremos algumas dicas para mamães e papais que ainda assim não sabem o que fazer para reverter essa situação:

1. Não force a alimentação

Muitas vezes a criança acaba visualizando a refeição como uma obrigação e acaba perdendo o gosto pela comida. Outras vezes, ela já está satisfeita. Seja firme, mas não insistente. O momento de se alimentar deve ser prazeroso.

2. Escolha locais tranquilos

Principalmente para as crianças hiperativas. Desligue televisões, videogames e celulares. Assim, ela se concentrará apenas no alimento e evitará possíveis distrações que resultam na falta de apetite.

3. Dê o exemplo

Não fará sentido para a criança comer legumes enquanto assiste aos pais comerem lanches. O questionamento será: “se eles estão comendo isso deve ser mais gostoso”.

4. Não ofereça “beliscos”

Comer fora de hora pode fazer com que a criança dispense as refeições por simplesmente não estar com fome.

5. Não ofereça recompensas ou premiações

Oferecer um doce por uma refeição completa o fará entender que a refeição não é algo divertido, e sim o que irá receber depois. Isso pode gerar uma chantagem inversa, como a criança utilizar de birra para conseguir o que quer.

6. Líquidos somente após a refeição

A capacidade gástrica de uma criança é limitada. Não ofereça refrigerantes. Água ou sucos devem ser ingeridos apenas após a refeição, pois ingeri-los durante a refeição, além de não ajudar no processamento da comida no intestino, também podem encher a criança, surrupiando o espaço que deveria ser do alimento.

7. Varie os alimentos

Crianças são despertadas pela curiosidade. O mesmo alimento todos os dias não irá fazê-la se interessar pelo horário de refeição, pois ela já sabe o que será oferecido. Abuse de criatividade e cores.

8. Respeite seus gostos

Apesar de serem crianças, eles já possuem aversões e preferências. Se seu filho não quer comer, respeite. De repente ele realmente não sente prazer em ingerir um ingrediente ou outro e acaba rejeitando toda a refeição.

9. Não deixe de oferecer os alimentos que eles recusam

Mesmo com aversões alimentares, continue oferecendo os alimentos saudáveis que eles não se interessam, porém apresente-os formas diferentes.

10. Ofereça alimentos saudáveis, coloridos e orgânicos

Uma boa alimentação na infância é fundamental para um crescimento e um futuro saudável. Apresente aos pequenos frutas, verduras e legumes desde os primeiros anos de vida. Mas não se esqueça da importância do interesse e da curiosidade que eles têm. Por isso, uma forma criativa de alimentá-los é oferecendo os alimentos orgânicos do PFzinho. Além de 100% naturais, eles são ultra-congelados e facilitam muito a vida da mamãe e do papai que possuem uma rotina agitada. Toda preocupação é pouca quando se trata da alimentação das crianças.

No PFzinho você irá encontrar uma variedade enorme de pratos, sobremesas e lanches. Todos eles bem coloridos e cheios de nutrientes. Os seus filhos não conseguirão recusar. Para nós, amor enche barriga sim, e os alimentos orgânicosPFzinho são feitos com muito carinho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat