O que é fome emocional e como tratar?

O que é fome emocional?

A fome emocional ainda é um tema que, aos poucos, vem ganhando destaque nas discussões sobre saúde mental. O ato de comer não está relacionado apenas à saciar a fome ou à nutrição. O lado emocional também está presente! Siga a leitura no Blog PFzinho e vamos entender mais sobre.

Todos os alimentos do nosso dia a dia acabam influenciando nossas ações e reações. De maneira positiva ou negativa, cada um proporciona diferentes sensações, memórias e emoções.

E foi a partir dessa reflexão que o termo “fome emocional” surgiu. Mas o que ela significa? 

Siga a leitura no Blog PFzinho e veja o que é fome emocional!
Siga a leitura no Blog PFzinho e veja o que é fome emocional!

O que é fome emocional?

Quando falamos de fome emocional, estamos falando daqueles momentos em que tentamos satisfazer nossas dores e necessidades emocionais através da alimentação.

O problema? Nem sempre essa alimentação é adequada ou controlada. A fome emocional geralmente está ligada a emoções negativas. Já pensou se toda vez que você se sentir ansiosa, comer uma caixa de bombons?

No entanto, a fome emocional também vale quando nos recompensamos por pequenas vitórias do dia a dia. Imagine que você teve uma semana cheia em casa e no serviço, mas bateu metas e seus filhos estão sendo superelogiados na escola. Você vai querer se premiar por todo esforço, né? 

Um fast food ou um pratinho de brigadeiro sempre que se sentir assim já são o suficiente para comprometer uma dieta e estilo de vida saudável.

A comida deve participar das emoções do dia a dia, mas sem exageros! Não deixe que a fome emocional se torne um hábito. Usar a comida para reprimir sentimentos ruins ou valorizar conquistas com frequência pode trazer malefícios ao nosso corpo.

Agora que você já sabe o que é, confira os prinipais sintomas da fome emocional.
Agora que você já sabe o que é, confira os prinipais sintomas da condição.

Principais sintomas da fome emocional

Como falamos acima, a maioria das situações do nosso dia a dia onde a fome emocional aparece estão ligadas a emoções e sentimentos que carregamos. Preocupações que fazem parte de nossa rotina com as coisas da casa, do trabalho, família, saúde e etc. podem servir como gatilhos para a fome emocional.

Apesar dela ser um transtorno que afeta ambos os sexos, alguns estudos mostram que as mulheres têm sido mais afetadas.

Os principais fatores que levam ao comportamento compulsivo na alimentação são:

  • Ansiedade;
  • Estresse;
  • Luto;
  • Raiva;
  • Recompensação;
  • Ressentimento;
  • Solidão;
  • Tédio;
  • Tristeza.

Como identificar e tratar a fome emocional?

A comida pode servir como um alívio momentâneo, mas não é um tratamento para a fome emocional. 

Quem sofre com essa compulsão e não corre atrás de soluções e tratamentos pode acabar perdendo a capacidade de lidar com suas emoções.

Busque ajuda profissional. Um acompanhamento pode ser tudo o que você precisa para se livrar desses hábitos.

Confira agora as dicas do Blog PFzinho para se cuidar:

Atenção com os gatilhos emocionais!
Atenção com os gatilhos emocionais!

Quais os seus gatilhos emocionais?

Um bom começo é identificar quais são os seus gatilhos emocionais para a fome. O que te faz sentir a necessidade de buscar conforto na comida? É uma situação? Um sentimento? 

Geralmente, a fome emocional está ligada a sentimentos negativos. Um bom exemplo é aquele filme triste que nos faz tomar um pote de sorvete com brigadeiro. 

Porém, como já citamos aqui, ela também pode estar associada a recompensas por conquistas do nosso dia a dia. O importante é identificar os gatilhos e os controlar. Nada em excesso faz bem!

Crie um diário alimentar emocional

Que tal toda vez que você perceber que sua fome é emocional, anotar o que comeu e porquê? Assim, você começa a identificar quais são os padrões por trás dos seus desejos e encontra maneiras de controlá-los.

Então, após identificar os gatilhos emocionais de fome, o passo seguinte é encontrar as maneiras mais adequadas ​​de manejar seus sentimentos.

Procure ajuda profissional

Existem profissionais especializados para te ajudar a encontrar o tratamento adequado. Consulte um psicólogo e descubra as razões da sua condição.

Passe também por um nutricionista e encontre alternativas saborosas e saudáveis para encaixar no seu dia a dia.

Através da investigação dos gatilhos que a levam a buscar conforto em docinhos ou fast foods, por exemplo, os profissionais responsáveis podem entender como a auxiliar a controlar os impulsos e criar limites.

Mais conteúdos sobre alimentação saudável:

Dicas de leitura:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.